Copenhague: ainda há esperança. Revista Veja Edição 2140 / 25 de novembro de 2009.

Ainda Há Esperança.
O mundo está diante de uma questão: quanto cada país está disposto a ceder em seus interesses particulares em favor da saúde coletiva na missão de conter o ritmo do aquecimento atmosférico? Essa pergunta deveria ser respondida daqui a duas semanas, na reunião de cúpula que levará representantes de 192 países a Copenhague, capital da Dinamarca.
 
 
[…] Os dois presidentes, Barack Obama e Hu Jintao, reunidos para selar um acordo de cooperação econômica Ásia-Pacífico, na semana passada, anunciaram que seus representantes não levarão metas numéricas para a reunião. Juntos, os países respondem por 40% das emissões de carbono que enfumaçam o planeta. Uma comparação ajuda a entender o tamanho do impasse. […] Diante disso, outra pergunta se impôs. Será possível salvar a reunião de Copenhague e obter um acordo que limpe os céus do mundo?
 
[…] Embora já não se tenha esperança de compromissos formais neste ano, é possível, sim, que saia de Copenhague um acordo político, em que os países desenvolvidos confirmem a necessidade de redução das suas emissões e sejam estabelecidos mecanismos de financiamento para que as nações em desenvolvimento façam o mesmo. Os números concretos virão numa reunião seguinte. Se isso acontecer, já não será pouca coisa. Um compromisso sério dos principais emissores de reduzir seus índices de poluição é um avanço em relação ao Protocolo de Kioto, que fracassou, entre outras razões, pela não ratificação dos Estados Unidos. Faltando duas semanas, é possível que as pressões que neste momento estão ocorrendo no mundo inteiro consigam fazer efeito.
 
 
No meio das vozes que se levantam, está a do sul-africano Kumi Naidoo, 44 anos, o novo presidente do Greenpeace Internacional. […] Kumi estava viajando da África do Sul para a Inglaterra. O trecho entre Amsterdã e Londres, de avião, levaria duas horas apenas. Ele o fez em seis horas, de trem. A política do Greenpeace determina que, se houver escolha, se deve optar pelo meio de transporte de menor emissão de carbono. No caminho, conversou com o repórter Ronaldo Soares.
 
[…] FALTA COMPROMISSO
A maioria dos países que assinaram o Protocolo de Kioto não o aprovou no Parlamento. Os Estados Unidos, na era Bush, negavam as mudanças climáticas. Continuaremos sustentando que é preciso um tratado que seja levado a sério. É o que mostra a história dessas reuniões globais. Se você pegar a Eco-92, no Rio, e observar o que foi prometido e o que foi feito, se 20% do que foi acordado tiver sido realizado, é muito. O não cumprimento de um acordo significa uma traição não só ao meio ambiente e às populações pobres, mas também à democracia, porque a maioria da população mundial quer que os governos atuem com urgência para resolver a questão do clima. Isso vale inclusive para os Estados Unidos, onde 54% da população quer isso. O problema hoje no mundo é que há muitos políticos e poucos líderes. Isso é especialmente delicado num momento como o que vivemos, com a ocorrência simultânea de crise financeira, de combustíveis, do clima, da alimentação. É parte do nosso desafio fazer com que os governos ouçam nossos conselhos, porque eles demoraram muito em concordar conosco e em adotar ações para preservar o planeta.
 
[…] OPINIÃO PÚBLICA
Recentemente, os ministros das Ilhas Maldivas promoveram uma reunião embaixo d’água, para chamar atenção sobre o problema do clima. As pessoas estão fazendo coisas para mostrar que não se pode continuar sem fazer nada. Trata-se do maior desafio que a humanidade já enfrentou. Eu entendo as dificuldades que temos para chamar atenção sobre a questão do clima. Quando você pensa em outros desafios, como violações dos direitos humanos ou pobreza, consegue ver e entender imediatamente do que se trata. Está bem claro do que se trata. Mas com as mudanças climáticas os efeitos se dão muito mais lentamente, e é mais difícil fazer com que as pessoas entendam a urgência do tema. E é também difícil explicar isso do ponto de vista científico. Quando se fala em mudanças climáticas, fala-se em reduzir as emissões em 20% ou 40%, em coisas que precisamos fazer até 2020 ou 2050, em 350 partes por milhão, em geral temas muito complicados para que as pessoas comuns entendam e se mobilizem.
 
[…] DESENVOLVIMENTO X PROTEÇÃO
[…]
Vejo este momento, em que as crises financeira e climática se deram ao mesmo tempo, como uma oportunidade para pensar numa ambiciosa economia verde.
 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s